22°C 26°C
João Pessoa, PB
Publicidade

A fogueira das polêmicas

“Terminada a festa é a hora de analisar o estado de dilapidação herdado, contabilizando as polêmicas geradas durante o transcurso. Se bem que não somos disso, não é nossa natureza. Somos mais capazes de sobreviver às polêmicas e seguir em frente, sempre no aguardo das novas rodadas de desacertos.”

02/07/2024 às 11h26
Por: Nailson Júnior Fonte: por Edson de França
Compartilhe:
A fogueira das polêmicas

Está cada vez mais difícil sairmos de um período festivo qualquer sem uma polêmica. Acho que nem a tal “confraternização universal” de final de ciclo escapa. O nosso São João, porém, se supera a cada nova edição.

Terminada a festa é a hora de analisar o estado de dilapidação herdado, contabilizando as polêmicas geradas durante o transcurso. Se bem que não somos disso, não é nossa natureza. Somos mais capazes de sobreviver às polêmicas e seguir em frente, sempre no aguardo das novas rodadas de desacertos.  

Ano que vem, certamente, algumas voltarão e novas hão de surgir.

Continua após a publicidade

Um quiproquó qualquer, um mal entendido, uma transgressão mínima que for às “tradições”, e está criado o cenário da contenda.

A edição dos festejos juninos deste ano já assomaram no horizonte sob as bençãos da deusa polêmica. 

O cardápio de entrada foi aberto com a divulgação antecipada dos investimentos das prefeituras em seus eventos. A mídia, imprensada entre a justiça dos Tribunais e a ardis festeiros dos alcaides, se esbaldou nas denúncias. Sites e blogs, noticiosos ou sensacionais, fizeram sua parte. Despertaram as “vozes roucas das ruas”, criando poucos “anti São João” decerto, mas alimentando o verbo dos “esclarecidos” de ocasião. 

Afinal, Santa Rita poderia ou não fazer o São João? Estava liberada para “investir” ou a festa foi embargada? 

Depois dos folguedos, etílias, artifícios e mega atrações pagas a preço de ouro, o julgamento dos “gastadores do erário público” parecerá rolar em “segredo de justiça”. O povão jamais saberá se foi realmente traído ou se seus mandatários seguiram a cartilha do “gestor” cioso, gastando só o necessário, sem comprometer muito as áreas básicas dos serviços públicos. 

Outras fontes férteis de polêmica surgem no andamento do “andor” da festa. À medida que o cortejo festivo em homenagem aos santos avança, os fiéis vão se digladiando por questões que envolvem o tradicional versus o “moderno”, a vitrine versus o ocultamento, as raízes versus o bricolage consumista. 

Em tempos idos, Campina Grande e Caruaru já protagonizaram uma “guerrinha particular”. Uma disputa regional em nome da pureza, da grandeza e da primazia de suas respectivas festas. Hoje, a impressão é que a contenda anda minorada e, sob imperativos comerciais, as duas disputam o posto de quem monta a programação mais bizarra em termos de variedade musical. 

Raízes pra que te quero e a nova onda pode ser explicado pelas dimensões mercadológicas que atingiram ambas. 

Para ser “maior” ou “melhor” é preciso atrair gente, movimentar multidões. Mais gente quer dizer mais gasto, mais consumo, mais ocupação de leitos, mais movimentação do trade turístico e por aí vai. Por esse prisma, já aparece aquela versão de “Asa Branca” pelos meninos de Liverpool, afinal, são mais atrativos que quem cantou o velho Vassoural.

Sobre isso, a cantora Elba Ramalho até atiçou a polêmica, classificando de “festival” algumas festas de São João nordeste afora. O certo é que o modelo de festa de massa já está formatado e será reproduzido por anos, até que se esgote o veio como se dá numa mina de pedras valiosas. A cultura e a tradição são o motivo, nunca o “algo” a ser cultuado, mantido, reavivado a cada ano.

Quem quiser fugir das multidões raivosas e porosas aos ritmos da moda, crie circuitos alternativos ou se enterre num sítio, abra a caixa de vinis e divirta-se com a tradição aprisionada em melodias antigas.

Nem toda polêmica é equacionada. Melhor, equacionar é macular sua essência. Polêmica boa ou deixa riscos e rancores indeléveis na alma ou é varrida do mapa.

Ano passado, Flávio José abriu uma ferida de difícil cura: reclamou da redução do tempo de seu show em favor do cumprimento de agenda de “estrela nacional”. Redução de tempo de show, esquecimento dos artistas locais, más condições de trabalho e formas de tratamento são já quase tradições dos produtores de eventos que aportam pelo nordeste.  

Exclusão e divisionismo - este também apontado por alguns também com relação ao público - que se acirram à medida que a festa popular ganha contornos gourmet ou de “griffe”.  

A polêmica da hora se armou em torno da gravação de um “forrófunk” pela paraibana Juliete. Nele, o funk, com a “poética” que lhe é peculiar, namora com a canção Pagode Russo (Luiz Gonzaga/João Silva), sucesso do rei do baião. Quando digo namora é desses namoros amostradinhos, com profícua troca de chupões. 

Não quero polemizar, mas estranhei gente “nem aí pra tradição” classificar a “ousadia” como lixo, ato impensável, um sacrilégio. 

A polêmica se situou entre dois pólos: a usurpação e a profanação. O primeiro envolve autorização, envolvendo valores e direitos sobre a obra; o segundo, a descaracterização da música. 

A música é, essencialmente, matéria rearranjável. Ou seja, uma célula musical permite variações quase infinitas. Há, por exemplo, gravações recentes do mais “autêntico forró” onde captam-se revérberos da Jovem Guarda, o que poderia sugerir apropriação indevida dos acordes daquela. Para não esquecer, esta mesma onda musical foi tomada, em certa época, como algoz da música nordestina, levando o “rei” a compor versos desencantadores para “cabras que usam pulseira, no pescoço um medalhão”.

No mais, com todo respeito à artista, a transgressão musical há de passar. Ficará no seu repertório o tempo suficiente para cansar alguns bumbuns. A natureza da música em nossa época tem essa marca: a rapidez de produção (não se importando muito de chupar, samplear, descaracterizar, reler ou seja lá o que for) e a distribuição massiva para consumo também imediato. 

Graças que dispomos de um repertório ancestral básico que pede para ser revisitado; permitindo o consumo “in natura, no original ou em modelitos “ultraprocssados” ao gosto dos ouvidos mais moderninhos.  

Quanto à primeira questão: a usurpação, o uso sem autorização expressa dos dignitários dos direitos, penso, que a dignidade prevaleceu. O neto do rei do baião reclamou, veio a público, a cantora se esforçou para conversar sobre o caso e uma palavra dele fechou a polêmica: “Esse jogo é muito maior do que a gente. Não é sobre nós. É sobre valorização. Ela sabe bem disso. Assim como eu é uma amante da nossa cultura”.

Penso, finalmente, que o Daniel Gonzaga levanta uma lebre importante. Anda em curso um jogo bem maior que nós, nossa vontade, nossas forças e mecanismos de resistência, nossa reminiscência de um passado posto como desenho, obra de um artista naiff que levamos aceso nos sonhos. A polêmica em si é só o índice, um sinal claro de que um rolo compressor, invisível e sutil, se impõe e nos desafia.

 

por Edson de França 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
São João chegou
Datas Juninas Há 1 mês Em Edson França

São João chegou

“O São João é um produto que, pelas bandas do Nordeste, foi formatado e aperfeiçoado como manifestação popular com vocação para a tradição. Ganhou traços, trejeitos, dança, canto, ritmo, indumentária, moda, linguagem”.
Neste 1º de Maio
1º de Maio Há 3 meses Em Edson França

Neste 1º de Maio

Trabalha-se por que, então? Pela sobrevivência já falada, com o mínimo de dignidade, e para manter um nível de vida aceitável. Alimentação, saúde, moradia, educação, lazer, cultura e mesmo algum “consumismo básico”, afinal, ninguém é de ferro. A participação efetiva nesse mundo, parecem cantar os apologistas do sistema, se dá pela garantia do trabalho ou, em nosso meio, do emprego com um mínimo de garantias. Por esse prisma, contabilizamos milhões totalmente fora do círculo. Nada a comemorar, portanto”.
Radiografia do poder
Sociedade Há 3 meses Em Edson França

Radiografia do poder

“Poder de “permitir viver” ou “mandar matar”, como quem joga a moeda pro alto para ver se dá cara ou coroa. O vassalato é talhado para dar a vida por seu mestre ou amo. A recíproca, porém, nunca será verdadeira.”
Caso comum de trânsito
Trânsito Há 4 meses Em Edson França

Caso comum de trânsito

“Quando você, usando da sua soberba, anda a beber e correr pela cidade, não é um caso comum. Abalroar um trabalhador, enquanto este exerce sua fiel obrigação de ofício, não é um caso comum. Ademais, o veículo abalroado fazia transporte por aplicativo e, caso estivesse transportando passageiros, o número de vítimas seria maior”
Edson França
Sobre o blog/coluna
Nas Entrelinhas
Ver notícias
João Pessoa, PB
26°
Tempo limpo

Mín. 22° Máx. 26°

27° Sensação
5.66km/h Vento
65% Umidade
67% (1.39mm) Chance de chuva
05h32 Nascer do sol
05h18 Pôr do sol
Qua 26° 22°
Qui 26° 21°
Sex 27° 22°
Sáb 26° 22°
Dom 26° 23°
Atualizado às 17h03
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,59 +0,23%
Euro
R$ 6,07 -0,09%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,53%
Bitcoin
R$ 390,095,98 -2,77%
Ibovespa
126,589,84 pts -0.99%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
ANUNCIE AQUI
Publicidade
Vagas de Emprego na Paraíba
jooble
Lenium - Criar site de notícias