22°C 28°C
João Pessoa, PB
Publicidade

Ler para viver

Pode ajudar a muitos a interpretar melhor o mundo. A leitura me fez escritor, menor, mas escritor. Coisa que prezo.”

08/01/2024 às 14h47
Por: Nailson Júnior Fonte: Edson de França
Compartilhe:
Ler para viver

“(...) preciso readquirir o hábito de ler. Penso, ao menos no meu caso de sobrevivente do império analógico, ser fundamental como ato cultural e entretenimento. Não tenho cacife acadêmico para afirmar peremptoriamente que seja uma prática saudável para o povo de hoje. O que sei exatamente é que não é doentio. De forma alguma. Pode ajudar a muitos a interpretar melhor o mundo. A leitura me fez escritor, menor, mas escritor. Coisa que prezo.” 

 

Preciso readquirir o hábito de ler. Andei o perdendo no dia em que me descobri preguiçoso para encarar obras mais densas. Passei de hora a outra a me contentar com livros de bolso e todo tipo de “literatura ligeira” que me caísse em mãos. Absolutamente cômodo. Acomodei-me aos “insights” vivazes da linguagem direta, classificando como  tediosa e enfadonha a leitura mais pesada. Até os contos mais longos expurgar do convívio. Voltar a me deleitar com a leitura é a letra A dos planos do ano que se inicia.

Continua após a publicidade

Meu vizinho, providencialmente dono de bar, começou a me auxiliar. Após realizar dois lançamentos literários em seu terreiro, digo, bar multicultural, emprestou-me as obras lançadas. Sem compromisso de fazer release de lançamento ou resenha sobre tais, as levei para casa e pus no “banho maria”. Aguardava o momento em que as abriria, tocado talvez pelo ardente intuito de concluí-las. Devo dizer em tom de mea culpa que mantenho entre meus pertences, obras que abri, cheirei, iniciei leitura, dormi em algumas sessões, dei mão a um marcador de textos e as larguei a um canto, limitadas a mudez das letras impressas. 

No último dia 02 devorei em questão de horas o primeiro dos livros emprestados. Grato a Juliano, o amigo, e ao autor Roberto Menezes pela possibilidade de adentrar ao mundo do que se anda produzindo em termos de boa literatura paraibana. Hoje, 04/01, concluí "As madrinhas da Rua do Sol", de João Martins. Obras relativamente curtas, mas com a densidade necessária para recuperar “das trevas” um leitor desviado. Falei curtas, mas não redutíveis, são portais generosos para múltiplas percepções e convites abertos a releituras inúmeras.

Iniciei bem o ano. Em seguida, como providenciais providências, dei alta (temporária, devo dizer)  para as redes sociais. Não preciso ter que a cada 05 segundos ficar conferindo o que os “amigos”, estrelosos ou a última beldade fez em suas existências. Desculpem-me os bem intencionados como eu próprio que, vez ou outra, comete o exagero de uma foto praiana, uma agressividade política ou um chiste humorístico. A atenção contumaz aos lampejos e atualizações das redes interrompe o processo natural da leitura. É impossível concluir parágrafos com a concorrência desleal das telas. 

Somos párias bem intencionados, periferia na rede das ostentações para exibidos mal intencionados bem financiados, carreiristas políticos e toda uma fauna de exibidos úteis e gratuitos. Não preciso andar conferindo seus progressos ou “status” atual. Não me importam. Caso concluam suas jornadas em terra, a “patrulha da província” ou o plantão do JN nos darão de conta. Não hei de conferir apenas pela desatualização de seus storys. 

Como disse no início, preciso readquirir o hábito de ler. Penso, ao menos no meu caso de sobrevivente do império analógico, ser fundamental como ato cultural e entretenimento. Não tenho cacife acadêmico para afirmar peremptoriamente que seja uma prática saudável para o povo de hoje. O que sei exatamente é que não é doentio. De forma alguma. Pode ajudar a muitos a interpretar melhor o mundo. A leitura me fez escritor, menor, mas escritor. Coisa que prezo. 

Até os gibis, não nego nem sob tortura, me ajudaram nesse processo. Foram escadas, levaram do básico às leituras apenas de palavras. Sou um apaixonado por todos esses processos, enfim, só quero a partir de hoje incorporar a “devoração” de páginas ao meu habitué diário. Quero ser traça de letras, palavras, ideias, contextos, enredos, imaginação e dessa impressão de que, pela leitura, somos definitivamente donos de infindáveis universos. De fato.

 

por Edson de França (04/01/2024)

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
DIRACY DE ARAUJO VIEIRAHá 6 meses João PessoaExcelente. Eu concordo que a concorrência desleal das telas nos atraem... mas como aquele velho ditado: todo exagero é veneno... até os remédios, em excesso é veneno. Mas fui formada pelos gibis... até hoje não desprezo um bom gibi. Sigamos na guerrilha das leituras de livros de papel... viva eles... e viva nós na resistência da existência.
Mostrar mais comentários
A fogueira das polêmicas
Vida & Cultura Há 2 semanas Em Edson França

A fogueira das polêmicas

“Terminada a festa é a hora de analisar o estado de dilapidação herdado, contabilizando as polêmicas geradas durante o transcurso. Se bem que não somos disso, não é nossa natureza. Somos mais capazes de sobreviver às polêmicas e seguir em frente, sempre no aguardo das novas rodadas de desacertos.”
São João chegou
Datas Juninas Há 4 semanas Em Edson França

São João chegou

“O São João é um produto que, pelas bandas do Nordeste, foi formatado e aperfeiçoado como manifestação popular com vocação para a tradição. Ganhou traços, trejeitos, dança, canto, ritmo, indumentária, moda, linguagem”.
Neste 1º de Maio
1º de Maio Há 2 meses Em Edson França

Neste 1º de Maio

Trabalha-se por que, então? Pela sobrevivência já falada, com o mínimo de dignidade, e para manter um nível de vida aceitável. Alimentação, saúde, moradia, educação, lazer, cultura e mesmo algum “consumismo básico”, afinal, ninguém é de ferro. A participação efetiva nesse mundo, parecem cantar os apologistas do sistema, se dá pela garantia do trabalho ou, em nosso meio, do emprego com um mínimo de garantias. Por esse prisma, contabilizamos milhões totalmente fora do círculo. Nada a comemorar, portanto”.
Radiografia do poder
Sociedade Há 3 meses Em Edson França

Radiografia do poder

“Poder de “permitir viver” ou “mandar matar”, como quem joga a moeda pro alto para ver se dá cara ou coroa. O vassalato é talhado para dar a vida por seu mestre ou amo. A recíproca, porém, nunca será verdadeira.”
Edson França
Sobre o blog/coluna
Nas Entrelinhas
Ver notícias
João Pessoa, PB
27°
Parcialmente nublado

Mín. 22° Máx. 28°

28° Sensação
6.17km/h Vento
65% Umidade
92% (0.61mm) Chance de chuva
05h32 Nascer do sol
05h17 Pôr do sol
Ter 26° 22°
Qua 27° 22°
Qui 27° 23°
Sex 27° 22°
Sáb 27° 22°
Atualizado às 16h37
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,44 +0,24%
Euro
R$ 5,93 +0,03%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,07%
Bitcoin
R$ 366,460,73 +10,28%
Ibovespa
129,358,27 pts 0.36%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
ANUNCIE AQUI
Publicidade
Vagas de Emprego na Paraíba
jooble
Lenium - Criar site de notícias