22°C 26°C
João Pessoa, PB
Publicidade

Pregões mouriscos

Mesmo aos sábados, dias ligeiramente diferentes, os despertadores “ossário” dão sinais ou tal motivação vem dos burburinhos matutinos.

24/11/2023 às 12h57
Por: Nailson Júnior Fonte: Edson de França
Compartilhe:
Pregões mouriscos

Os dias úteis nos obrigam a acordar cedo. Normativamente. Há agendas profissionais a cumprir. O peso dos anos também nos obrigam a madrugar. Costumo dizer que o despertador natural são as dores que, literalmente, expulsam os ossos já “bem vividos” da cama. Mesmo aos sábados, dias ligeiramente diferentes, os despertadores “ossário” dão sinais ou tal motivação vem dos burburinhos matutinos.

Acordávamos até poucos dias com o arrulhar de pombos. Pelas horas primevas, o vizinho Gilberto, do segundo andar, já andaria a bater com algum objeto na janela para espantá-los. Hoje já não o faz. Resolveu a parada. Como primeira providência, tirou o sossego dos penosos com naftalina. Em seguida,  vendou o já desnecessário e demodê nicho para ar-condicionado com gesso. Os pombos migraram. Não teremos mais arrulhos nessa crônica, portanto, nem nos sábados que nos aguardam, cheios de sol ou não.

Não nos livramos, contudo, do chap-chap das havaianas e toc-tocs dos tamancos das pessoas que militam aos sábados, enquanto se preparam para sair  e fazer girar a roleta do comércio. Os pássaros liderados pelos gritos estridentes, com o bordão “triste-vida” dos bem-te-vis, que dão salves ao nascer do dia estão ativos. Os nossos se equilibram em fios de alta tensão, bem defronte às nossas atuais janelas. Um galo sobrevivente lança ao ar atrasados toques de  alvoradas. Reminiscência viva de um tempo onde haviam mais galos a  contribuir com os primeiros acordes para  tecelagem dos dias.

Continua após a publicidade

O mundo anda muito barulhento e, assim como a luminosidade das cidades apaga as estrelas, a redoma de som que nos aprisiona minimiza a potência vocal dos galos. À hora que eles cantam para despertar, a cidade já anda a se mover. As obras civis começam e os notívagos arranham chaves nas portas rangentes das portarias dos modernos condomínios. A vida é regida por outros ritmos. As rotinas urbanas obedecem fielmente a outra lógica, bem mais mecânica e humanamente estressante. Somos atravessados por outra categoria de sons, que tende a nos situar entre o alarmismo ritual e a desatenção tácita.

Thiaguinho, neto da dona do terreno que hoje abriga o prédio onde moro, lembra (se não lembra, os parentes próximos alimentaram seus dados) nos conta que a residência parecia um sítio, árvores e criações. Alongo a vista e só vejo prédios. Da vontade de cantar Belchior a dizer do tempo em que havia "galos, noites e quintais".

Hoje há solidões sólidas, poucos "bons dias" além dos casmurros protocolares e uma vontade residual de declarar guerra  aos pombos, rolinhas, bem-te-vis, galos e gentes que brigam, aos gritos, pela sobrevivência. Conheci gente que, pelo galo cantar perto, comprou-o e o pôs na panela.  Não creio que a sanha contra os “penosos cantantes”, seja movida por uma questão sanitária. Nada disso. É pelo fato de serem madrugadores e seguirem uma regra ancestral, talvez mais naturalista e sintonizada com os ritmos naturais do planeta. 

Voltemos aos sons da rua. O vendedor de vassouras passa e anuncia seu produto, em todas as suas variedades, num dialeto particular e impronunciável. Ele passa por volta das oito horas. Às oito e trinta espere e, eis que uma voz se ouve ao longe. É o vendeiro de produtos de limpeza que se aproxima. Nenhuma palavra se materializa em seu “pregão mourisco”, mas remetem à tradição: sábados, desde que me entendo por gente, são dias “oficiais” de faxina em casa.

Os pregões ancestrais sobrevivem tais quais os galos. Seu canto invade as manhãs, mesmo que selecionem cuidadosamente os dias de acontecer. Anunciam aos berros os produtos que negociam e, desde o comecinho da rua, é possível ouvi-los. Ouço o galo, imagino quintais como o da infância, curto os amanheceres e, já pelo meio do dia, espero, com certa ansiedade, o pregoeiro da fábrica de picolés que, já meio cansado e lento, passa pelas redondezas logo depois do meio do dia que se arrasta.

 

por Edson de França 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
A fogueira das polêmicas
Vida & Cultura Há 3 semanas Em Edson França

A fogueira das polêmicas

“Terminada a festa é a hora de analisar o estado de dilapidação herdado, contabilizando as polêmicas geradas durante o transcurso. Se bem que não somos disso, não é nossa natureza. Somos mais capazes de sobreviver às polêmicas e seguir em frente, sempre no aguardo das novas rodadas de desacertos.”
São João chegou
Datas Juninas Há 1 mês Em Edson França

São João chegou

“O São João é um produto que, pelas bandas do Nordeste, foi formatado e aperfeiçoado como manifestação popular com vocação para a tradição. Ganhou traços, trejeitos, dança, canto, ritmo, indumentária, moda, linguagem”.
Neste 1º de Maio
1º de Maio Há 3 meses Em Edson França

Neste 1º de Maio

Trabalha-se por que, então? Pela sobrevivência já falada, com o mínimo de dignidade, e para manter um nível de vida aceitável. Alimentação, saúde, moradia, educação, lazer, cultura e mesmo algum “consumismo básico”, afinal, ninguém é de ferro. A participação efetiva nesse mundo, parecem cantar os apologistas do sistema, se dá pela garantia do trabalho ou, em nosso meio, do emprego com um mínimo de garantias. Por esse prisma, contabilizamos milhões totalmente fora do círculo. Nada a comemorar, portanto”.
Radiografia do poder
Sociedade Há 3 meses Em Edson França

Radiografia do poder

“Poder de “permitir viver” ou “mandar matar”, como quem joga a moeda pro alto para ver se dá cara ou coroa. O vassalato é talhado para dar a vida por seu mestre ou amo. A recíproca, porém, nunca será verdadeira.”
Edson França
Sobre o blog/coluna
Nas Entrelinhas
Ver notícias
João Pessoa, PB
28°
Chuvas esparsas

Mín. 22° Máx. 26°

30° Sensação
6.17km/h Vento
65% Umidade
100% (4.41mm) Chance de chuva
05h32 Nascer do sol
05h19 Pôr do sol
Sex 27° 22°
Sáb 26° 22°
Dom 26° 22°
Seg 26° 23°
Ter 26° 23°
Atualizado às 11h03
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,64 -0,29%
Euro
R$ 6,12 -0,17%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,39%
Bitcoin
R$ 386,636,88 -1,70%
Ibovespa
125,751,02 pts -0.53%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
ANUNCIE AQUI
Publicidade
Vagas de Emprego na Paraíba
jooble
Lenium - Criar site de notícias