22°C 26°C
João Pessoa, PB
Publicidade

Valores impressos em um velho encarte

Por outro lado, convenhamos, a própria natureza do fazer musical anda a experimentar por deformações.

25/10/2023 às 14h09
Por: Nailson Júnior Fonte: Edson de França
Compartilhe:

A indústria da música atual prescinde totalmente do encarte. Num corte seco, eliminou-o totalmente de seus processos de produção. Não adianta chorar, afinal, até os próprios suportes de veiculação musical, caducaram. Após longo império, o vinil deu lugar ao CD e, este, anda a não ser mais objeto de desejo dos cantantes. Por outro lado, convenhamos, a própria natureza do fazer musical anda a experimentar por deformações.

Por ontem, o encarte, peça informativa que acompanhava os LP’s era fundamental para tomarmos contato com a letra "exata" da música, saber o nome dos compositores, dos músicos atuantes nas gravações, dos instrumentos utilizados em cada faixa para execução dos arranjos. Ademais, ficava-se a par dos responsáveis pelos respectivos arranjos, da graça dos produtores e técnicos e outras curiosidades afins. Viemos de uma geração que cresceu musicalmente, com eles. 

Alguns ainda traziam uma espécie de editorial com a apresentação do artista, balanço de sua carreira, apreciação do repertório presente no opúsculo.  Bons tempos. Para mim e muitos, o encarte era uma fonte de informação. Um apêndice de luxo. A apreciação da “arte do artista” ganhava em robustez com as informações trazidas pelo encarte. Até para as moçoilas, que curtiam “estampas” das estrelas que “ilustrar” as paredes de  seus quartos, estavam bem servidas. Os encartes eram ricamente ilustrados com artes referenciais e fotos dos ídolos de então.

Continua após a publicidade

Na atualidade, as informações sobre a artesania musical soam dispersas e limitadíssimas. Não se faculta mais aos aficionados pela música um arsenal suficiente de municiá-lo na melhoria do seu arsenal cultural. Talvez até porque isso não importe mais, não é mesmo? Há outros valores em curso por aí; lugar onde vale mais a milhões amealhado em shows que o conteúdo poético/musical veiculado.

Por esses dias valem mais a projeção midiática das figurinhas, cantem ou não, ou a introdução de vinhetas no meio da execução para lembrar ao apreciador passageiro do nome da banda (espécie de aglomerado de músicos), a estrela ou algum tocador que se destaque, de preferência aquele "virtuose" que encarna o coração da banda ou o gênero que ela defende.

Os encartes eram objetos cobiçados pelos apreciadores da arte musical. Ao ato de ouvir a canção prensada, era comum estender o território para abranger áreas mais técnicas da produção, sendo, ou não, músico, historiador ou crítico militante.

Pego-me até mesmo lembrando de episódios de roubo, isso mesmo que você leu, roubo de encartes das lojas de sebo. Encartes eram uma espécie de item colecionável, uma peça líterocomunicativa que suplantava a simples ideia de propaganda da música e seus artífices. Sua extinção sumária nos leva a pensar em "fim de era". Um tempo chegou ao fim e levou de arrastão uma mania saudável de ouviver, cultuar fazedores, construir e alimentar uma afetiva memória em torno da criação musical. 

Por Edson de França

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
A fogueira das polêmicas
Vida & Cultura Há 3 semanas Em Edson França

A fogueira das polêmicas

“Terminada a festa é a hora de analisar o estado de dilapidação herdado, contabilizando as polêmicas geradas durante o transcurso. Se bem que não somos disso, não é nossa natureza. Somos mais capazes de sobreviver às polêmicas e seguir em frente, sempre no aguardo das novas rodadas de desacertos.”
São João chegou
Datas Juninas Há 1 mês Em Edson França

São João chegou

“O São João é um produto que, pelas bandas do Nordeste, foi formatado e aperfeiçoado como manifestação popular com vocação para a tradição. Ganhou traços, trejeitos, dança, canto, ritmo, indumentária, moda, linguagem”.
Neste 1º de Maio
1º de Maio Há 3 meses Em Edson França

Neste 1º de Maio

Trabalha-se por que, então? Pela sobrevivência já falada, com o mínimo de dignidade, e para manter um nível de vida aceitável. Alimentação, saúde, moradia, educação, lazer, cultura e mesmo algum “consumismo básico”, afinal, ninguém é de ferro. A participação efetiva nesse mundo, parecem cantar os apologistas do sistema, se dá pela garantia do trabalho ou, em nosso meio, do emprego com um mínimo de garantias. Por esse prisma, contabilizamos milhões totalmente fora do círculo. Nada a comemorar, portanto”.
Radiografia do poder
Sociedade Há 3 meses Em Edson França

Radiografia do poder

“Poder de “permitir viver” ou “mandar matar”, como quem joga a moeda pro alto para ver se dá cara ou coroa. O vassalato é talhado para dar a vida por seu mestre ou amo. A recíproca, porém, nunca será verdadeira.”
Edson França
Sobre o blog/coluna
Nas Entrelinhas
Ver notícias
João Pessoa, PB
28°
Chuvas esparsas

Mín. 22° Máx. 26°

30° Sensação
6.17km/h Vento
65% Umidade
100% (4.41mm) Chance de chuva
05h32 Nascer do sol
05h19 Pôr do sol
Sex 27° 22°
Sáb 26° 22°
Dom 26° 22°
Seg 26° 23°
Ter 26° 23°
Atualizado às 11h03
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,64 -0,34%
Euro
R$ 6,12 -0,19%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,44%
Bitcoin
R$ 386,868,21 -1,60%
Ibovespa
125,981,33 pts -0.35%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
ANUNCIE AQUI
Publicidade
Vagas de Emprego na Paraíba
jooble
Lenium - Criar site de notícias