22°C 26°C
João Pessoa, PB
Publicidade

Defensor impetra HC para garantir que preso use vestes próprias diante do Júri

Defensor impetra HC para garantir que preso use vestes próprias diante do Júri

04/04/2019 às 18h51 Atualizada em 04/04/2019 às 21h51
Por: Nailson Júnior
Compartilhe:
Defensor impetra HC para garantir que preso use vestes próprias diante do Júri

A proibição de um preso utilizar vestimentas próprias diante do Tribunal do Júri motivou a Defensoria Pública do Estado da Paraíba (DPE-PB) a impetrar habeas corpus com pedido liminar junto ao Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB). A relatoria da ação (HC 0804154-73.2019.8.15.0000) é do desembargador Carlos Martins Beltrão Filho .

O pedido feito pelo defensor público Philippe Figueiredo, da Comarca de Campina Grande, foi inicialmente indeferido pelo juízo da 2ª Vara do Tribunal do Júri, que não aceitou que o preso provisório J. J. L., atualmente recluso na Penitenciária Máxima Padrão de Campina Grande, utilizasse vestimentas próprias sob alegação de “ausência de amparo legal”, com o argumento de que as vestes por ele utilizadas não teriam o condão de influenciar na decisão dos jurados.

INFLUÊNCIA NEGATIVA – Para Philippe Figueiredo, a negativa não tem previsão legal, nem se afigura razoável. O defensor público ressaltou que o Conselho de Sentença é formado por juízes leigos, de modo que se o réu for a julgamento popular com o uniforme de presidiário causará influência negativa no ânimo dos jurados, que tenderão a condená-lo, numa presunção de culpa e impressão de que a sua liberdade representa um risco à sociedade.

Continua após a publicidade

“Além disso, princípios constitucionais como o da dignidade da pessoa humana, da proporcionalidade e da plenitude da defesa garantem que o paciente não seja privado do direito de usar vestimenta própria, e não estigmatizadora, em seu julgamento”, destacou, citando jurisprudência pátria e as Regras Mínimas das Nações Unidas para o Tratamento de Presos (Regras de Mandela), traduzidas pelo Conselho Nacional de Justiça.

Inclusive, alertou que “a negativa de cumprimento de regra internacional relativa a direitos humanos, de fácil cumprimento como esta, geraria deletéria exposição da República Federativa do Brasil perante a comunidade internacional, o que a doutrina denomina power shame (vergonha) ou power of embarrassment (embaraço)”.

VIOLAÇÃO AO DIREITO DE AUTODEFESA - Outro fundamento da ação constitucional foi a flagrante violação ao direito da autodefesa do paciente, considerando que seu interrogatório não foi o último ato da instrução, tendo sido colhido depoimento de testemunha indicada pela acusação, posteriormente, a qual inclusive foi levada em consideração pelo juízo para fundamentar a decisão de pronúncia.

Sobre a alegação do juízo de que teria assim agido com a anuência das partes, o defensor público discordou por entender que “se trata de direito fundamental e, portanto, indisponível” e também por considerar que “não se pode chancelar verdadeiras negociações processuais, pois o direito de autodefesa está fora desse mercado”.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
João Pessoa, PB
28°
Chuvas esparsas

Mín. 22° Máx. 26°

30° Sensação
6.17km/h Vento
65% Umidade
100% (4.41mm) Chance de chuva
05h32 Nascer do sol
05h19 Pôr do sol
Sex 27° 22°
Sáb 26° 22°
Dom 26° 22°
Seg 26° 23°
Ter 26° 23°
Atualizado às 11h03
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,64 -0,25%
Euro
R$ 6,13 -0,12%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,35%
Bitcoin
R$ 388,037,78 -1,39%
Ibovespa
125,751,02 pts -0.53%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
ANUNCIE AQUI
Publicidade
Vagas de Emprego na Paraíba
jooble
Lenium - Criar site de notícias