PBNEWS


Saúde

HTJP é referência no atendimento de vítimas de choques

O Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena registrou a entrada de 46 pessoas vítimas de choques elétricos no período de janeiro a julho deste ano.  Os números foram levantados pelo setor de estatística da instituição de saúde. Desse total, 13 foram pacientes do sexo feminino e 33 do masculino.

01/09/2016 16:26

O Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena registrou a entrada de 46 pessoas vítimas de choques elétricos no período de janeiro a julho deste ano.  Os números foram levantados pelo setor de estatística da instituição de saúde. Desse total, 13 foram pacientes do sexo feminino e 33 do masculino.

Já no mesmo período de 2015, as ocorrências apontaram para 65 atendimentos decorrentes de choques, o que corresponde a 19 pacientes a mais do que os sete meses de 2016. Este quantitativo refere-se a 22 atendimentos a vítimas do sexo feminino e 43 relativos ao masculino.

O médico intensivista da unidade hospitalar, Carlo Endrigo, falou sobre o que acontece no corpo do paciente vítima de choque elétrico. “O choque consome o músculo da área afetada, ocorrendo sua degradação, provocando a produção de substâncias tóxicas que provocam lesão nos rins, sistema cardiovascular e cérebro. Associado a isso existe perda de líquidos que são essenciais à vida”, explicou.

Ainda de acordo com Endrigo, o choque também provoca queimadura, que é uma porta para o aparecimento de infecções. A conduta médica para tratar o paciente se faz com a retirada do tecido necrosado, reposição de líquidos e o fechamento da área através de método mecânico para fechar a porta de entrada e promover a hidratação adequada.

De acordo com estudos, os choques geralmente são decorrentes do contato com tomadas elétricas e cabos, principalmente no que dizem respeito a acidentes domésticos envolvendo crianças. Porém, este tipo de evento também está relacionado com eletricidade ocupacional, vitimando eletricistas e ainda trabalhadores do setor da construção civil.

Leia também

[« Voltar]

Fale conosco Siga-nos no Twitter RSS