PBNEWS


Saúde

Especialista explica como os cuidados bucais previnem a endocardite infecciosa

Febre alta, falta de apetite, perda de peso e calafrios noturnos são alguns dos sintomas frequentes em pacientes que adquiriram uma doença grave chamada endocardite infecciosa, uma invasão de fungos e bactérias às superfícies da membrana que reveste o coração e a entrada de um grande volume de micro organismos na corrente sanguínea. rata-se de […]

21/07/2016 11:27
Febre alta, falta de apetite, perda de peso e calafrios noturnos são alguns dos sintomas frequentes em pacientes que adquiriram uma doença grave chamada endocardite infecciosa, uma invasão de fungos e bactérias às superfícies da membrana que reveste o coração e a entrada de um grande volume de micro organismos na corrente sanguínea. rata-se de uma infecção da parede interna do coração ou das válvulas do coração e uma de suas causas é a má conservação dos dentes. O rápido diagnóstico é fundamental para o início do processo de tratamento da doença.
A manutenção de condições de saúde adequadas, incluindo dental, é a melhor prevenção. Neste particular, nossa população tem péssimos cuidados de preservação e higiene dentária, o que facilita a instalação de endocardite.  “A cada consulta esclarecemos aos nossos pacientes a importância dos cuidados para uma saúde bucal em bom estado. Infelizmente, aqueles que não seguem as nossas orientações, ficam mais suscetíveis a doenças”, alerta Ana Claudia Vanderley, endodontista atua no Atelier do Sorriso São Rafael.
Segundo ele, a maior preocupação dos profissionais de Odontologia é a redução da população de bactérias e fungos na boca e a menor da inflamação da gengiva. Essas medidas incluem a eliminação de focos infecciosos endodônticos e cáries profundas, que são algumas das portas de entrada mais comuns das bactérias que causam diversos problemas odontológicos.
O tratamento de endocardite normalmente se dá com o uso de antibióticos fortes, geralmente intravenosos, durante quatro ou seis semanas. A duração do tratamento vai depender da sua intensidade, de quão severa foi a infecção e da resposta do organismo contra a bactéria. Em alguns casos, dependendo de quanto a válvula já foi danificada, pode ser necessário realizar uma cirurgia no local. “Todo cuidado é pouco na hora de tratar os pacientes que têm facilidade de desenvolver a doença. Nos procedimentos invasivos que provocam sangramento, sempre utilizamos a profilaxia antibiótica para diminuir a  carga bacteriana sanguínea. Mantemos intervalos de, pelo menos dez dias entre as sessões odontológicas para evitar o surgimento de micro-organismos resistentes ao antibiótico utilizado”, explicou Thiago.
Para saber mais sobre a especialidade e o combate desta doença, o Atelier do Sorriso São Rafael fica na Avenida Monteiro da Franca, 424 – Manaíra. O telefone é (83) 3031-0055.

Leia também

[« Voltar]

Fale conosco Siga-nos no Twitter RSS