PBNEWS


Direito Do Consumidor

Procon-PB pesquisa preços em bares de Cabedelo

A Autarquia de Proteção e Defesa do Consumidor do Estado da Paraíba (Procon-PB) deu continuidade esta semana às pesquisas de cardápios de praias. Desta vez, o levantamento de preços nos bares e quiosques foi realizado nas praias de Cabedelo, nessa terça-feira (17).

18/01/2017 22:59

A Autarquia de Proteção e Defesa do Consumidor do Estado da Paraíba (Procon-PB) deu continuidade esta semana às pesquisas de cardápios de praias. Desta vez, o levantamento de preços nos bares e quiosques foi realizado nas praias de Cabedelo, nessa terça-feira (17). Foram analisados oito estabelecimentos, somando 282 itens, entre refeições, petiscos, ensopados, bebidas (alcoólicas e não alcoólicas) e guarnições.

De acordo com a pesquisa, o prato camarão ao alho e óleo sempre destaca-se por apresentar uma diferença de preços relevante, variando de R$ 26,00 (Barraca Ponto Quente) a R$ 59,90 (Lindo’s Prime Bar), gerando uma economia de R$ 33,90 a quem optar pelo estabelecimento com menor preço ofertado a este item. O prato de carne de sol com fritas pode ser encontrado entre R$ 20,00 (Barraca Ponto Quente) e R$ 40,00 (Mão Branca Bar), uma diferença de R$ 20,00 no bolso do consumidor.

Aos interessados em bebidas alcoólicas, é possível economizar R$ 15,00 ao consumir uma garrafa de cachaça São Paulo, que apresenta preços entre R$ 10,00 (Bar da Ressaca) e R$ 25,00 (Mão Branca Bar). Já a cerveja Antárctica (600 ml) é vendida entre os valores que vão de R$ 6,00 (Bar da Ressaca) a R$ 11,90 (Pernambuco Bar e Restaurante), uma economia para o consumidor de até R$ 5,90, entre os estabelecimentos pesquisados. A jarra de suco de frutas gera uma economia de R$ 10,00, uma vez que seus preços variaram entre R$ 10,00 (Bar da Ressaca) e R$ 20,00 (Lindo’s Prime Bar).

Vale ressaltar que essas variações de preços podem ser justificadas mediante ao modo de preparo em que cada quiosque ou bar executa seus pratos. Devem, também, ser levados em conta o tipo e tamanho do produto em questão.

Leia também

[« Voltar]

Fale conosco Siga-nos no Twitter RSS