PBNEWS


Colunas

Campo de Guerra

26/09/2017 15:58

A favela da Rocinha, na zona sul da cidade do Rio de janeiro, é um campo e guerra,
literalmente. No último dia 26, uma terça-feira, os veículos de comunicação divulgaram –
de forma positiva – o segundo dia de trégua após o início do cerco militar das Forças
Armadas na última sexta-feira (22). É que, na semana anterior, os tiroteios ocorreram em
todo lugar da referida favela.
Apesar da trégua, a instabilidade na região e o medo da violência afetam a rotina dos
moradores. A imprensa noticiou que na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da
Rocinha, localizada entre as ruas 1 e 2, o atendimento foi suspenso por prazo
indeterminado. Na área da Educação, a Secretaria Municipal de Educação informou que
3.344 estudantes estão sem aula. As atividades foram interrompidas em seis escolas,
duas creches e um EDI (Espaço de Desenvolvimento Infantil). Com isso, foram dois dias
seguidos em que os alunos foram obrigados a ficar em casa por conta da violência na
região.
Como se diz na linguagem popular, o que é isso companheiro! Que coisa, um campo de
batalha nas barbas das autoridades. O pior é que as Forças Armadas já tiveram uma
experiência anterior nas favelas do Rio, mas, passado o tempo, foi verificado que a calma
e a paz na vida carioca aconteceu apenas por um curto período de tempo, já que, após a
retirada dos militares, o caos voltou a reinar na cidade.
Até quando isso vai perdurar? É a pergunta que não quer calar.

Boa notícia – A Prefeitura de João Pessoa ampliou a faixa etária para a realização da
mamografia de rastreamento. A iniciativa prevê que o serviço seja priorizado em mulheres
a partir dos 40 anos e até os 74 anos e possibilitará que mais de 87% no número de
mulheres sejam beneficiadas. O Ministério da Saúde determina que o exame só seja
disponibilizado de forma gratuita no SUS para mulheres entre 50 e 69 anos.
Emprego – A semana começou bem, com 180 vagas de emprego, sendo 86 destinadas
exclusivamente para pessoas com deficiência física, inclusive visual ou auditiva, e
também sem experiência profissional. As vagas são oferecidas pelo Sistema Nacional de
Emprego de João Pessoa (Sine-JP).Há vagas para operador de telemarketing receptivo,
serviços gerais e auxiliar de produção. Para o público geral, a função com mais vagas
disponíveis é a de vendedor.

Valter Nogueira

Fale conosco Siga-nos no Twitter RSS