PBNEWS


Colunas

Mudança e Reforma

31/03/2016 15:10

Ante ao mar de lama que emergiu com a ‘Operação Lava Jato’, o povo brasileiro clama

por um basta à corrupção, pelo fim da impunidade, ao tempo que exige que corruptos e

corruptores permaneçam presos e celeridade nos julgamentos. Nessa esteira, deve-se,

em seguida, exigir uma reforma política digna do povo brasileiro que, na sua maioria, é

honesta. Em resumo, o povo quer mudanças e reformas.

O país precisa de instrumentos que garantam providências preventivas radicais, mediante

mudança constitucional, acabando com o sigilo fiscal e bancário de todos os políticos e

detentores de cargos públicos nos três poderes. O mesmo deverá ocorrer com os

servidores públicos dos mesmos poderes. Quem não deve, não teme – diz o ditado

A nação precisa de uma reforma política, vez que o povo não aceita que candidatos a

cargos majoritários promovam suas campanhas sem o mínimo de transparência, no que

diz respeitos aos gastos de campanhas, realidade que deve ser estendidas aos

candidatos a cargos nas casas legislativas (Senado, Câmara Federal, Assembleia

Legislativa e Câmara de Vereadores).

A transparência nas contas de campanha dará, com certeza, oportunidade a pessoas com

boas intenções, não apenas aos “endinheirados” – aqueles que fazem parte do sistema e

que, por isso mesmo, pelo comprometimento, recebem doações de bancos e empresas.

Penso que o Brasil, após o desenlace dessa crise institucional, retomará o caminho do

desenvolvimento e da ética na coisa pública.

Câmara Municipal – A Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) votou, na sessão

ordinária desta quarta-feira (30), 15 matérias oriundas do Executivo pessoense, sendo 14

vetos e um Projeto de Lei Complementar (PLC). Este último, aprovado por unanimidade

pelos parlamentares, tem como objetivo principal permitir a incorporação, para fins de

aposentadoria, de gratificação salarial para médicos que atuam na Capital paraibana. As

emendas propostas à matéria pelo vereador Lucas de Brito (PSL) não foram acatadas.

Valter Nogueira

Fale conosco Siga-nos no Twitter RSS