PBNEWS


Colunas

Economia doméstica

23/02/2016 11:15

Toda a família, mesmo sem se dar conta, necessita administrar as contas da casa. Se não

fizer isso as coisas podem sair do controle e antes do final do mês o dinheiro pode acabar

e contas podem ficar sem ser pagas. O nome disso é “Economia Doméstica”.

A Economia não é apenas coisa de economistas, de técnicos. Cada vez mais tona-se

necessário aos homens e mulheres terem, ao menos, noções de economia doméstica.

Ailás, há pouco tempo li um artigo assinado por um empresário paraibano – bem sucedido

– que trata desse assunto. Ele (o empresário), de forma pertinente, recomenda, no artigo,

que seja introduzido no ensino fundamental uma cadeira sobre noções de economia.

A falta de noções básicas de economia tem levado muita gente à inadimplência, ao

descontrole das contas domésticas. Pior, ao desespero. No Brasil, tem muita gente

endividada – isso é grave!

Na verdade é necessário um grande esforço para conviver de forma confortável com a

administração doméstica, se esforçando para chegar ao final de cada mês da melhor

maneira possível. Para isso, a palavra chave é Planejamento. É claro que, na teoria, a

coisa é diferente da prática. Porém, se com Planejamento as coisas, às vezes, fogem do

controle, imagine sem!

Em economia doméstica uma peça importante é o Orçamento. Ele é a radiografia do que

entra (receita) e do que sai (despesa) de todos os membros da família. Existe duas

maneiras de planejar o Orçamento: Primeiro, anotar o que está sendo gasto dia a dia sem

controle; e, segundo, planejar despesas antecipadamente para não gastar mais do que se

ganha. Este último é justamente a função do Orçamento Doméstico.

O Orçamento Doméstico é o principal instrumento para a administração financeira de

uma casa. Ele possibilita o Planejamento Financeiro para hoje, para amanhã e dias

futuros. Ele evita que o dinheiro acabe antes do final do mês. Caso contrário, quando o

dinheiro vai embora antes do previsto, a pessoa tem que recorrer a um empréstimo para

honrar compromissos. Um deles é o cheque especial – muito utilizado hoje em dia. Ocorre

que no cheque especial, assim como faz o agiota, tem juros e, como isso, a dívida da

pessoa tende a crescer.

Em resumo, economia é matemática. Se uma pessoa ganha X – não importa o valor –

não pode gastar nenhum centavo a mais. Por exemplo, se o trabalhador recebe um

salário de R$ 3.000,00 (três mil reais) por mês, não pode ter uma despesa mensal acima

desse valor senão vai trabalhar no vermelho. Vai administrar dívidas por resto da vida.

Agenda – A Câmara Municipal de João Pessoa realizará, nesta última semana de

fevereiro, quatro eventos no Plenário Senador Humberto Lucena. De acordo com a

agenda divulgada pelo setor de Cerimonial da Casa, serão três sessões solenes para

homenagear pessoas que se destacaram em suas respectivas atividades, no Município,

além de uma audiência pública para tratar sobre a temática da juventude e liberdade na

democracia brasileira.

Valter Nogueira

Fale conosco Siga-nos no Twitter RSS