PBNEWS


Cidades

Programação de oficinas do 14º Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro começou nessa terça

Dois dias antes da abertura oficial do 14º Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro, que acontece entre 28 deste mês e 4 de dezembro, teve início a sua programação de oficinas, com o curso prático “A Pós-Produção no Cinema Independente”, ministrado desde essa terça-feira (26) pelo cineasta Ely Marques. As aulas se encerram no dia da […]

28/11/2019 10:39

Dois dias antes da abertura oficial do 14º Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro, que acontece entre 28 deste mês e 4 de dezembro, teve início a sua programação de oficinas, com o curso prático “A Pós-Produção no Cinema Independente”, ministrado desde essa terça-feira (26) pelo cineasta Ely Marques. As aulas se encerram no dia da solenidade de abertura do evento, que contará com a participação especial da atriz Bárbara Paz e a exibição do documentário “Babenco – Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou”, dirigido por ela, no Cinépolis Manaíra Shopping, em João Pessoa. A entrada é franca, em todos os dias.

A oficina de Ely Marques ocorre no Departamento de Mídias Digitais (Demid-UFPB), das 9h às 12h. Na sexta-feira (29), começam os debates e painéis do festival, no Auditório Intermares do Hotel Aram Beach & Convention e na Sala Vladimir Carvalho (Usina Cultural). A programação tem início com a série Diálogos Audiovisuais Aruanda/Energisa, às 9h, em um debate com o diretor e ator Guilherme Rodio, do curta-metragem de abertura “A Volta Para Casa”. Logo depois, o Diálogos II traz um debate com os homenageados José Bezerra (Caminhos e bifurcações da produção cinematográfica), Marcus Vilar (Documentarismo de resistência) e Ingrid Trigueiro (O ofício da representação). Os dois diálogos serão moderados por Amilton Pinheiro, curador e diretor artístico do Fest Aruanda. 

Às 11h, haverá o primeiro painel Aruanda/Cagepa: “A emergência das políticas de preservação e a criação da Cinemateca Paraibana Linduarte Noronha nos 100 anos do cinema paraibano”, com José Maria Pereira Lopes (TV Cultura-SP) e Marília Franco (ECA-USP), moderados por Lúcio Vilar, coordenador e produtor-executivo do Fest Aruanda. À tarde, a partir das 14h, José Maria Pereira Lopes dará início à oficina “Preservação de acervos audiovisuais e a importância da tecnologia na era digital”, que se encerra somente no dia 3.

A partir das 9h do sábado (30), no mesmo auditório do Hotel Aram, a série de Diálogos promoverá debates entre os diretores de curtas e longas-metragens exibidos na noite anterior, com moderação de Amilton Pinheiro. Às 10h, no Painel Aruanda-Cagepa, teremos “Arranjos regionais: a experiência do Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais – convergências e prospecções de uma parceria a ser construída”, com César Piva, diretor-presidente da Agência de Desenvolvimento do Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais (MG). A mesa contará com Maurício Burity (Fundação Cultural de João Pessoa), Damião Ramos Cavalcanti (Secretaria de Estado da Cultura), Ely Marques e Abraão Bahia (Fórum do Audiovisual Paraibano), e Carine Fiúza e Cristiane Fragoso (União das Mulheres do Audiovisual).

Na segunda-feira (2), seguem os debates com os diretores dos curtas e longas exibidos no sábado e no domingo – mas, neste dia, eles acontecerão na Sala Vladimir Carvalho, na Usina Cultural Energisa, a partir das 9h, com moderação de Amilton Pinheiro e Maria do Rosário Caetano.

Últimos dias – Na terça (3) e na quarta-feira (4), os debates com os diretores dos curtas e longas exibidos na noite anterior voltam ao Hotel Aram – desta vez, no Auditório Cabo Branco – com a moderação de Amilton Pinheiro e Maria do Rosário Caetano, a partir das 9h. 

Na quarta, às 11h, no mesmo local, Maria do Rosário media um diálogo entre o ator e cantor Flávio Bauraqui (A luta corporal de um ator negro no Brasil) e o cineasta, produtor, roteirista e escritor João Batista de Andrade (Um cinema de urgência e reflexão, entre a ficção e o real). Ao meio-dia, no Painel Aruanda/Cagepa, o tema será “Mulheres por trás das câmeras – A produção paraibana revisitada”, cuja mesa contará com Luísa Lusvarghi, Ana Bárbara, Vânia Perazzo, Ana Isaura, Cristiane Fragoso e Virgínia Oliveira Silva, moderadas por Caroline Oliveira.

A série Diálogos Audiovisuais se encerrará na quinta-feira (5), com um debate sobre do filme que fecha o 14º Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro, “O barato de Iacanga” (2019), documentário dirigido por Thiago Mattar sobre o lendário Festival de Águas Claras. Moderado por Maria do Rosário Caetano, o debate terá, na mesa, a compositora Glorinha Gadelha, o cineasta Thiago Mattar, o crítico musical Jotabê Medeiros e o jornalista Sílvio Osias.

100 Anos – O Fest Aruanda celebra o centenário do cinema paraibano, cujo marco são as primeiras atividades cinematográficas realizadas na Paraíba, em 1919, pelo cineasta Walfredo Rodriguez. Para homenagear o documentarista, o festival instituiu o Troféu Walfredo Rodriguez, para personalidades que contribuíram para a história do cinema paraibano. O evento tem patrocínio da Energisa (Usina Cultural), da Cagepa e do Armazém Paraíba – tudo via Lei Federal de Incentivos, do Ministério da Cidadania.

Serviço

14° Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro 

Programação de oficinas, painéis e debates

Data: 26/11 a 05/12/19

Horário: das 9h às 17h

Local: Hotel Aram Beach & Convention e Sala Vladimir Carvalho, na Usina Cultural Energisa – João Pessoa-PB

Leia também

[« Voltar]

Fale conosco Siga-nos no Twitter RSS