PBNEWS


Cidades

Venda de imóveis no Brasil cresce 17% no segundo trimestre de 2018

Segundo dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), a venda de imóveis aumentou 17,3% no segundo trimestre deste ano e comparação com o primeiro trimestre de 2018. Já em relação ao mesmo período de 2017, houve alta de 32,1%.

12/09/2018 15:01

Segundo dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), a venda de imóveis aumentou 17,3% no segundo trimestre deste ano e comparação com o primeiro trimestre de 2018. Já em relação ao mesmo período de 2017, houve alta de 32,1%.

A região Nordeste do Brasil registrou o segundo maior crescimento nas vendas com alta de 34,7% em comparação ao mesmo período do ano anterior. A região Norte se destaca com aumento de 40,7% nas vendas. O Sudeste teve alta de 16,4% e o Centro-Oeste, de 6,7%. O Sul foi o único a apresentar queda: 1,1%.

Com relação ao número de lançamentos de imóveis no país, foi registrado um aumento de 119,7% em relação ao trimestre anterior e um aumento de 19,9% em relação ao mesmo trimestre de 2017. Para Hugo Montenegro, CEO da Construtora Alliance, uma das 100 maiores do país no ranking ITC, o mercado demonstra sinais de retomada.

“Devido a forte crise no setor, muitos projetos ficaram na prateleira esperando o melhor momento para serem lançados. Esse tempo serviu para aprimoramento dos produtos por parte das incorporadoras, chegando mais próximo do desejo do comprador. Esse aumento nos lançamentos reflete, de certa forma, uma maior qualidade de conceito e produto e esse movimento está sendo aceito pelo consumidor”, afirma.

Em João Pessoa, os dados também são positivos. Em março deste ano, a cidade tinha disponíveis para morar 6.464 imóveis prontos e em construção. Este número é menor do que a que a disponibilidade em março de 2017, quando o mercado dispunha de 6.774 unidades concluídas – e bem menor do que os 7.174 imóveis ofertados em 2016.  Os dados são do Departamento Econômico do Sindicato da Indústria da Construção Civil de João Pessoa (Sinduscon-JP), com base em pesquisa de mercado realizada regularmente, para a entidade.

Leia também

[« Voltar]

Fale conosco Siga-nos no Twitter RSS