PBNEWS


Cabedelo

Semais capacita para atuar no Programa Criança Feliz

A Secretaria de Ação e Inclusão Social (Semais) deu inicio, nesta quinta-feira (31), no Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro POP), ao curso de Capacitação para o Programa Criança Feliz. O curso tem por objetivo habilitar os agentes nas bases de funcionamento e técnicas a serem aplicadas em visitas domiciliares […]

01/09/2017 14:06

A Secretaria de Ação e Inclusão Social (Semais) deu inicio, nesta quinta-feira (31), no Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro POP), ao curso de Capacitação para o Programa Criança Feliz. O curso tem por objetivo habilitar os agentes nas bases de funcionamento e técnicas a serem aplicadas em visitas domiciliares pelo programa.

Até o dia 5, sete visitadores serão capacitados para atuarem no programa, que tem como técnica fundamental a visita aos domicílios. No curso, serão enfatizados, basicamente, as formas de abordagem domiciliar e as técnicas para aconselhamento dos pais na estimulação dos filhos.

“Nós, como supervisores, recebemos uma capacitação do Estado para sermos multiplicadores. Agora cada município capacita os seus visitadores, ensinando como é a forma de fazer uma visita domiciliar e como vão decorrer todas as atividades feitas com as crianças. Estamos capacitando para que eles possam fazer o trabalho da melhor forma e cumprir as exigências e metas do programa”, explicou a coordenadora do Criança Feliz em Cabedelo, Poliana Gragen.

De acordo com ela, o município de Cabedelo, por sua condição de médio porte, foi dividido em sete áreas, levando em conta a população de crianças e gestantes. Cada visitador inserido no programa ficará responsável por uma dessas áreas. A meta é alcançar inicialmente 200 famílias, ou seja, 200 indivíduos, entre gestantes e crianças.

O Criança Feliz é um programa voltado para trabalhar o desenvolvimento infantil nos seus primeiros mil dias, ou seja, desde a gestação. A meta é trabalhar com gestantes e crianças de 0 a 3 anos, que são beneficiárias do programa Bolsa Família, e de 0 a 6 anos, beneficiárias do Programa de Prestação Continuada (BPC). Também serão atendidas crianças com microcefalia e da Casa de Aacolhimento.

“O trabalho dele é desenvolver através da ludicidade a motricidade da criança, a parte lúdica e o desenvolvimento infantil. Ele visa uma melhora infantil a longo prazo. A importância do programa está em visar esse bom desenvolvimento. É um programa a longo prazo. Não vamos ver o resultado amanhã ou depois de amanhã, mas um pouquinho mais para a frente. É nesse primeiro momento, nos primeiros anos de vida, que se desenvolve toda a parte intelectual de uma criança. Daí vamos trabalhar a socioafetividade da criança, a parentalidade com as suas famílias e as formações de vínculo”, completou Poliana.

O programa – Coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), o Criança Feliz reúne ações nas áreas de saúde, educação, cultura e justiça. O programa tem por base a constatação cientifica que demonstra que o período que vai da gestação até os três anos de idade é o mais importante para o desenvolvimento humano. Crianças bem cuidadas nessa fase são mais inteligentes, chegam à escola com melhores condições de aprendizado, estudam mais e têm mais chances de vencer a pobreza.

Até o momento, 2.547 municípios, segundo dados do MDS, já aderiram ao Programa. O Criança Feliz irá acompanhar os filhos de beneficiários do Bolsa Família desde a gestação até os 3 anos de idade. Já as crianças que recebem o BPC serão acompanhadas até os 6 anos.

O programa é ativado a partir da realização de visitas domiciliares regulares. A função dos visitadores é ir todas as semanas até a casa das famílias para mostrar aos pais a melhor maneira de estimular os filhos.

Leia também

[« Voltar]

Fale conosco Siga-nos no Twitter RSS