PBNEWS


Brasil

Michel Temer assina decreto de intervenção federal no Rio

A intervenção foi construída em diálogo com o governador Luiz Fernando Pezão e eu comunico que nomeei interventor o comandante militar do leste General Walter Braga Netto, que terá poderes para restaurar a tranquilidade do povo, As polícias e as Forças Armadas estarão nas ruas, avenidas e comunidades. Reunidas combaterão, enfrentarão e vencerão aqueles que sequestram o povo e a nossa cidade.

16/02/2018 15:15

Brasília – O presidente da República Michel Temer assinou na tarde desta quinta-feira no Palácio do Planalto o decreto que determina a intervenção federal na área de segurança pública do estado do Rio de Janeiro. O

O presidente Michel Temer assina o decreto que determina a intervenção federal na segurança no Rio de Janeiro. – Agência Brasil

general Walter Braga Netto, do Comando Militar do Leste, foi anunciado como interventor. O decreto tem validade imediata, mas será submetido à aprovação do Congresso. O governador Luiz Fernando Pezão e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) participaram da cerimônia

“O crime organizado quase tomou conta do Estado do Rio de Janeiro. O governo dará respostas duras, firmes e adotará todas as providências necessárias para enfrentar o crime organizado e as quadrilhas. A intervenção foi construída em diálogo com o governador Luiz Fernando Pezão e eu comunico que nomeei interventor o comandante militar do leste General Walter Braga Netto, que terá poderes para restaurar a tranquilidade do povo. As polícias e as Forças Armadas estarão nas ruas, avenidas e comunidades. Reunidas combaterão, enfrentarão e vencerão aqueles que sequestram o povo e a nossa cidade. Nossos presídios não serão mais escritórias de bandidos e nem nossa praças continuarão a ser salões de festa do crime organizado”, disse Temer.

Pezão: ‘Não estamos conseguindo deter a guerra’

O governador Luiz Fernando Pezão também admitiu que as polícias civil e militar do Rio perderam o controle da situação. “O Rio tem pressa e tem urgência. Nós, só com a Polícia Militar e a Polícia Civil, não estamos conseguindo deter a guerra entre facções no nosso estado. E ainda com componente grave que são as milicias”, disse Pezão.

O ministro da Defesa Raul Jungmann lembrou que não é a primeira atuação das Forças Armadas no Rio. Tropas federais já colaboraram com as polícias do estado, inclusive com ocupação de comunidades consideradas de risco, como os complexos da Maré e do Alemão.

“Já tínhamos uma integração com as forças de segurança, teremos um salto de qualidade no trabalho que será feito com as polícias e o sistema penitenciário e o Corpo de Bombeiros”, disse o ministro.

Jungmann elogiou o general Braga Netto. “É um general absolutamente qualificado e conhecedor profundo do Rio de Janeiro e sua dinâmica.”

O general Braga Netto estava de férias quando foi convocado para atuar como interventor da segurança no Rio. “Recebi a missão agora e nós vamos entrar numa fase de planejamento. Nosso relacionamento com as forças de segurança é muito. Agora é fortalecer os sistema de segurança e dar tranquilidade aos cariocas”, disse.

“As forças armadas jamais foram ameaça à democracia”

Nenhuma autoridade adiantou detalhes sobre a intervenção da segurança no Rio. Segundo o ministro da Defesa, o plano ainda será traçado pelo interventor federal. “O que cidadão pode esperar é que as Forças Armadas continuarão cumprindo seus compromissos. A partir do plano traçado por Braga Netto, as necessidades adicionais que surgirem serão cumpridas, mas não dá para antecipar o que será feito. Mas será um sistema muito mais robusto de seguridade social. Com o andamento disso, a percepção de segurança será intensificada”, disse Jungmann.

Segundo o ministro de Segurança Institucional, Sergio Etchegoyen, novos atos administrativos podem ser editados com base no planejamento do general Braga Netto. Ele reforçou que o decreto já está em vigor, mas pode ser confirmado ou encerrado pelo Congresso Nacional.

O ministro criticou quem considera que a intervenção possa ser uma ameaça à democracia e disse que as Forças Armadas só farão a intervenção porque as polícias não conseguiram conter a violência. “As forças armadas jamais foram ameaça à democracia”, afirmou. “Ao invés de perguntar isso, deveríamos perguntar porque as polícias não conseguem (conter a violência)”, disse.

Fonte :O Dia

Leia também

[« Voltar]

Fale conosco Siga-nos no Twitter RSS